Secretaria de Saúde do Distrito Federal alerta contra a dengue

Combatendo a Propagação do Vírus em Nossa Comunidade

A dengue, uma enfermidade viral transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, é um problema de saúde pública que demanda atenção constante. Esse vírus é disseminado através da picada da fêmea do Aedes aegypti, um mosquito diurno comumente encontrado em áreas urbanas, e que se multiplica em reservatórios de água parada.

Esse ciclo de transmissão faz com que a dengue seja mais prevalente durante os períodos chuvosos do ano. A água estagnada oferece o ambiente ideal para a proliferação do mosquito, contribuindo para a disseminação da doença. Importante notar que os ovos do Aedes aegypti podem permanecer viáveis por até um ano, agravando ainda mais a situação.

O controle da dengue é uma responsabilidade compartilhada, exigindo ações regulares e comprometidas de todos nós.

Sintomas Característicos da Dengue

A dengue se manifesta por meio de uma série de sintomas, tais como:

  • Febre alta, acima de 38°C.
  • Dores no corpo e nas articulações.
  • Mal estar generalizado.
  • Dor nos olhos.
  • Perda de apetite.
  • Cefaleias.
  • Manchas vermelhas na pele.

É relevante destacar que a infecção por dengue pode variar de casos assintomáticos ou leves até quadros mais graves. Geralmente, a doença se inicia com uma febre repentina, que perdura de 2 a 7 dias, acompanhada de dor de cabeça, dores corporais, cansaço, fraqueza, dor nos olhos e erupções cutâneas com coceira.

Sinais de Alarme e Prevenção

Os “sinais de alarme” indicam um estágio da doença onde ocorre extravasamento de plasma e/ou hemorragias, aumentando os riscos de choque e óbito. A forma grave da dengue inclui sintomas como dor abdominal severa e contínua, náuseas, vômitos persistentes e sangramentos nas mucosas.

Enfrentando a Dengue: Tratamento e Prevenção

O tratamento da dengue, sendo uma infecção viral, visa aliviar os sintomas. Inclui o uso de antitérmicos, ingestão adequada de líquidos e descanso. No entanto, a ação mais eficaz reside na eliminação das condições favoráveis à proliferação do mosquito. Como não existem medicamentos específicos nem vacina preventiva, a nossa melhor defesa é manter os espaços limpos e livres de água acumulada.

A luta contra a dengue é uma tarefa coletiva. Ao identificar os primeiros indícios da doença, é crucial buscar atendimento médico ou assistência de saúde imediatamente. Juntos, podemos fazer a diferença na prevenção e no controle dessa doença que afeta nossa comunidade.

Segundo o Boletim Epidemiológico Ano 18, nº 29, agosto de 2023 que consta no site da Secretaria de Saúde do Distrito Federal:

“Em 2023, até a SE 31, foram notificados 33.249 casos suspeitos de dengue, dos quais 25.028 eram
prováveis. Dos casos prováveis, 94,36% são residentes no DF (n=23.658). Dentre os casos prováveis em
residentes em outras Unidades da Federação (UF) destacam-se GO (1.260 casos), MG (64 casos), RJ (11
casos) e SP (9 casos).
Observa-se neste período, uma redução de 61,4% no número de casos prováveis de dengue em
residentes no DF se comparado ao mesmo período de 2022, quando foram registrados 61.245 casos
prováveis da doença no DF”

Juntos venceremos essa guerra contra o Aedes aegypti

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

notícias relacionadas

CATEGORIAS

COMPARTILHAR