Soldado brasileiro morre em combate na Ucrânia em confronto com forças russas

Combatente morto no conflito era de Curitiba, Paraná. Além dele, outros três brasileiros já faleceram

Foto: Reuters

Um soldado brasileiro, natural de Curitiba, no Paraná, foi morto em combate com as forças russas na região da cidade de Bakhmut, que é atualmente a linha de frente mais sangrenta da guerra. Esse é o quarto combatente brasileiro que perde a vida desde o início do conflito em fevereiro de 2022.

A identidade do soldado ainda não foi divulgada, mas seus companheiros no front confirmaram que ele faleceu em 2 de agosto. A agência de notícias russa Sputnik Brasil, em suas redes sociais, afirmou que soldados russos “eliminaram” mais um “mercenário do Brasil” que estava a serviço do exército ucraniano. O termo “mercenário” é frequentemente utilizado pelos inimigos para descrever soldados que lutam por outros países em troca de salários. No entanto, os colegas de combate do soldado o referem como um “herói”.

Até o momento, a embaixada brasileira em Kiev ainda não recebeu confirmação oficial sobre a morte do soldado. Geralmente, o governo ucraniano leva alguns dias para fornecer informações sobre a morte de estrangeiros aos serviços diplomáticos. A embaixada apenas registra as certidões de óbito, pois as autoridades brasileiras não são responsáveis por nacionais do país que participam da guerra.

Kiev tem tentado controlar informações sobre a morte de estrangeiros, temendo que possa ser usada como peça de propaganda pelos russos. O processo de traslado e pagamento de indenizações é de responsabilidade do governo ucraniano, que normalmente crema os corpos dos combatentes e envia as cinzas para as famílias.

Estima-se que entre 30 e 40 brasileiros tenham se alistado nas forças armadas ucranianas para lutar no conflito, ao lado de estrangeiros de várias outras nações. A situação permanece sensível e preocupante para a comunidade internacional, dada a gravidade do conflito e suas consequências para os combatentes estrangeiros envolvidos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

notícias relacionadas

CATEGORIAS

COMPARTILHAR